Grafite e pichação qual a diferença? arte ou vandalismo?

 



Saiba tudo sobre a história da pichação e do grafite, Quantas vezes andando pelas ruas, você se deparou com a pichação e o grafite e que na verdade, a agressão visual é intencional para chamar atenção das autoridades aos mais necessitados? Não? 

Então, vem com a gente que iremos te contar tudo sobre a pichação e o grafite e tudo o que eles representam em nossa sociedade. Você sabia que por trás de todos aqueles riscos entre os muros existem muita resistência e luta?


 

 


Tudo tem um início, conheça onde e como surgiu a pichação.



Primeiramente, é importante ressaltar que, durante essa leitura, você lerá “pixação” e não há erro algum nisso. Pixação é a prática de um grupo específico das periferias de São Paulo, enquanto que, pichação, é a interferência subversiva feita por qualquer pessoa.


A pichação surgiu em 1964 quando a ditadura era instalada no Brasil. Os jovens que lutavam a favor da liberdade, escreviam nas paredes das cidades frases como: “abaixo a ditadura”.

 

pixo

Entretanto, foi com a imposição do AI-5 em 1968 que o movimento se tornou mais forte.

Pois, foi nessa época em que o regime militar se tornou mais rígido, o congresso foi fechado e houve perseguição aos artistas, professores e todas as demais minorias. O movimento no Brasil foi inspirado pelo Maio de 68 na França, a qual jovens protestavam a favor dos direitos trabalhistas.

De acordo com pesquisas, sindicatos promoveram uma greve de 2 meses reivindicando salários justos e condições melhores de trabalho.

 


Pixação e o marco paulista
 



Você sabia que o pixo é brasileiro e que muitos estudiosos fazem inúmeras pesquisas para entender qual o processo criativo? Como é o caso do documentário PIXO.

Considerado uma evolução do punk, os traços retos são as marcas paulistanas que protestam contra a desigualdade e a injustiça social.

pixo

Os muros de São Paulo, para os pixadores, são considerados telas e nenhum espaço deve estar em branco e em todos deve existir uma mensagem da periferia para o mundo. Existem ainda divisões por categorias:
 

  • Prédio

  • Muro

  • Janelas

  • Escaladas
     

A escalada é a categoria mais respeitada. O pixador que sobe mais alto para registrar sua mensagem ou aquele que a registra em todos os andares de um prédio é o que tem maior reconhecimento dentro da grife.

Grife é o grupo de pixadores que levam o mesmo símbolo por toda a cidade. Contudo, não é qualquer pessoa que faz parte de uma grife, é necessário ter conhecimento no pixo e já tê-lo levado para muitos locais. A Pixação e a Criminalidade. Muitos pixadores são usuários de drogas e cometem alguns furtos, contudo, existe uma razão.

De acordo com a pesquisa, as marcas da cidade: a dinâmica da pixação em São Paulo, os atos acontecem como protesto às atitudes do Estado quando os pixadores são pegos. Em vez da polícia deter os jovens e apenas levá-los às delegacias, eles batem e humilham.

Como resultado, já que não podem competir em força física, os pixadores provocam indiretamente. O grafite, assim como a pichação, também é um ato de rebeldia e protesto contra as desigualdades. Porém, o grafite é mais aceito pela sociedade e, ao contrário da pichação, não é considerado ilegal, desde que autorizado pelo proprietário.

As diferenças básicas entre o grafite e a pichação, primeiramente, é que enquanto a pichação são mensagens escritas, muitas vezes, em forma de símbolos. O grafite são imagens em formato de desenho.

Segundo alguns estudios os, os romanos foram os primeiros a inserir o grafite em seus protestos políticos. Acredita-se que eles escreviam com carvões nas paredes para ilustrarem suas revoltas.

 

 


Grafite: onde surgiu




De acordo com estudos, o grafite pode ser considerado uma arte rupestre, pinturas nas paredes pelos primórdios. Pois assim como as primeiras civilizações, os grafiteiros contam suas histórias através de desenhos pelos muros.

Com início nos anos 70, o grafite começou pelas ruas do Bronx e seus desenhos eram vistos nos trens. Inspirado no movimento hip-hop, o grafite também era uma forma de mostrar a realidade das ruas.

Devido ao grande número de brigas e mortes entre gangues de Nova York, assim como com as batalhas de break, os grafiteiros também duelavam.

Porém, enquanto que os duelos de break eram por meio das danças, a gangue vencedora no grafite era aquela que conseguia pintar mais vagões.

 


Grafite no Brasil.



O grafite chegou no Brasil em 1980 e por meio das inspirações nova-iorquinas, bem como, com a ditadura que ainda estava forte no país. Os muros eram recheados por imagens contestadoras à opressão militar.

Devido ao momento, no passado o grafite não vinha com assinatura, pois a intenção era unicamente mostrar revolta. Dessa forma a arte sai dos bairros ricos e passa a ser vista por todos e em qualquer lugar.


 


Os Grandes nomes do Grafite no Brasil e no Mundo Brasil

  • Os Gêmeos
     

Gustavo e Otávio Pandolfo, são referências no grafite brasileiro. Com suas artes expostas pelos muros das cidades brasileiras e em grandes cidades do exterior, como Estados Unidos, Japão e Alemanha. Desde 1980 os irmãos enaltecem a arte vinda das ruas e suas variações.

 

grafiti

  • Crânio
     

Por meio dos índios nas paredes, Fabio Oliveira leva ao mundo além das desigualdades sociais, o esquecimento da nossa cultura.

 

artista cranio

Estados Unidos

  • Daze
     

Nascido em 1962, iniciou sua carreira nos vagões de Nova York nos anos 70, constituiu carreira e hoje tem suas artes expostas por todo o mundo.

França, Áustria, Itália são alguns países pelo qual o norte-americano esteve. Além do mais, Daze, em 2004 foi consultor artístico da série “The Get Down” pela Netflix.

 

daze

  • Jean Michel Basquiat
     

Com pinturas que retratam a desigualdade entre os negros, Jean teve suas obras expostas nos Estados Unidos, Japão, Holanda e outros. Além de ser conhecido mundialmente por retratar o racismo.

No ano de 1987, o artista morreu vítima de overdose, porém, isso não foi motivo para ser esquecido, dez anos depois teve suas obras expostas na Bienal de São Paulo.


 

Jean Michel Basquiat

No artigo de hoje, conhecemos as principais diferenças entre a pichação e o grafite. Vimos que são artes urbanas e cada um tem seu jeito para denunciar a realidade das ruas e periferias.

A pichação é uma forma agressiva que impacta e machuca. A pichação não é para ser bonita é para ser provocativa e chamar atenção para os problemas da sociedade, o grafite por sua vez, ainda que “delicado” também contesta e denuncia os opressores. Além disso, ainda conhecemos os maiores nomes do grafite e seus feitos para o Brasil e o mundo.

A Agrafisil está por dentro de tudo o que acontece no mundo do street, transformando as novidades em moda e assim, trazendo até você a tendência que mais combina com o seu estilo.

 

Gostou? Então, visite nossas loja, redes sociais e compartilhe esse artigo com seus amigos.

 

Pague com
  • Pix
  • PagSeguro V2
Selos
  • Site Seguro

Agrafisil - CNPJ: 27.149.094/0001-11 © Todos os direitos reservados. 2022


Para continuar, informe seu e-mail

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência em nosso site. Para saber mais acesse nossa página de Política de Privacidade